14
Janeiro
2020
0
//www.danilomachado.com.br/media/user/images/original/taxa-selic-b9.png

TAXA SELIC CAIU PARA 4,5%! A MENOR DA HISTÓRIA! O que muda para você?

Criado: 14 Janeiro 2020 | Atualizado: 14 Janeiro 2020
Tamanho da fonte
pequena
normal
grande
Versão para impressão
imprimir
Neste artigo você vai entende qual é a relação entre a taxa SELIC com a renda variável, em especial com a bolsa de valores, e também como uma SELIC mais baixa ajuda a nossa economia a se desenvolver melhor.

Você viu que todo mundo só fala disso nos últimos dias. Mas como essa queda histórica da Taxa Selic para 4,5% afeta o nosso dia a dia é o que realmente nos interessa.
Acompanhe comigo que neste artigo eu vou lhe explicar tudo o que você precisa saber sobre este assunto que é super importante para o seu bolso.

E a primeira pergunta a ser respondida é:

O que é a Taxa Selic?

Está sigla quer dizer Sistema Especial de Liquidação e Custódia - é um sistema informatizado destinado ao registro, custódia e liquidação de títulos públicos emitidos pelo tesouro nacional - é um programa que agiliza essas operações para que elas fiquem em quase tempo real. Então toda operação de compra e venda destes papéis se dá quase que instantaneamente, bem diferente de quando eu ou você precisa fazer um doc ou pagar um boleto no banco onde esta operação só irá ser efetivada com um ou dois dias depois. Não é verdade?

E por que este sistema é tão importante?

Para responder a isso, primeiro vou ter que contextualizar para você com a informação a segui:

Todos os dias os bancos recebem dinheiro por um lado e liberam dinheiro pelo outro, certo?

Agora o que pouca gente sabe é que uma das regras mais importantes do banco central diz que a nenhum banco é dado o direito de dormir com sua conta no vermelho. Ou seja, se numa agência bancaria em determinado dia sai mais dinheiro do que entrou ela precisa urgentemente cobrir este valor que antes que o dia termine.

Para isso ela tem 2 opções.

1 - pedir emprestado ao banco central;
2 - pedir emprestado ao banco vizinho.

Quando ela pede emprestado ao banco central, este cobra um taxa de juros que é bem baixinha porquanto este empréstimo é feito no fim do dia e será pago no dia seguinte assim que os bancos abrirem. Basicamente é um empréstimo de um noite apenas. E como estas operações são muito volumosas e precisam ser calculadas neste prazo curtíssimo de tempo ( imagine quantas agências bancárias temos no brasil fazendo isso todas as noites. Estamos falando de algumas centenas de bilhões de reais que precisam mudar de mãos neste prazo)se faz necessário um sistema exclusivo para dar conta. Por isso foi necessário desenvolver um Sistema Especial de Liquidação e Custódia ou simplesmente SELIC.

Então, por ser uma das menores taxas de juros cobradas no mercado, a taxa Selic acaba servindo de referência além de influenciar todas as outras taxas do mercado, como por exemplo o CDI que é outra taxa muito importante que acredito que merece ser explicado aqui também.

Vamos entender agora como funciona este empréstimo de banco para banco.

Como todo banco sabe que se um dia ele dorme com o caixa no azul no outro, ele corre o risco de dormir no vermelho, ao invés de ficarem pedido toda noite dinheiro para o banco central eles se ajudam mutualmente. Isso mesmo, um dia a Caixa socorre o Banco do Brasil; no outro, o Bradesco socorre a Caixa e por aí vai…
Isto é, quem está com sobra de caixa hoje empresta por uma noite para quem está com o caixa no vermelho e vice e versa. E para este empréstimo eles cobram uma taxa entre si que é um pouco menor que a taxa Selic - neste momento está 0,10% menor. Estamos falando do CDI ( Certificado de Depósito Interbancário ) ou seja, os juros que um banco cobra de outro banco para dormir com seu dinheiro por uma noite.

Você já deve ter ouvido a expressão: esta aplicação rendeu x% do CDI… Certo? Isso quer dizer que ela rendeu X% a mais do que o valor cobrado quando um banco empresta dinheiro para outro banco.

Como o CDI é só um pouquinho menor que a Selic ele também acaba se tornando uma taxa de referência para o mercado. Então para saber o valor do CDI, basta olhar a Selic e tira 0,10%. Fácil, não é?

Como a taxa Selic é definida? De onde vem esses 4,5%?

Ela é definida pelo COPM que é o Comitê de Politica Monetária. Eles são os magos da economia de qualquer país e é composto pelo presidente do Banco Central e seus diretores.
A cada 3 meses aqui no brasil eles se reunem para discutir, dentre outros assuntos relevantes para a economia, qual será o valor da taxa SELIC.

Por que motivo eles ficam mudando a todo momento a o valor da taxa SELIC?

Como a SELIC é a taxa mãe da economia e acaba por influenciar todas as outras taxas, o governo a usa como um instrumento de controle para a inflação.

Todos nós aprendemos desde cedo que a inflação é uma coisa ruim para nosso bolso, certo? Quando ela sobe os preços de todos os produtos e serviços ficam mais caros, o dinheiro perde poder de compra e a vida de todo mundo fica mais cara e mais difícil.
Então o que fazem os magos do COPOM quando percebem que os preços estão começando a subir? Eles aumentam a SELIC e assim todas as outras taxa seguem a mamãe SELIC e também vão aumentando. Você já aprendeu qual é a primeira taxa que vai subir juntinho ali com a SELIC, certo?

-Exatamente, o CDI!

Isto significa que quando alguém vai pegar um empréstimo, vai pagar um juros mais caro; juros de cartão de crédito, mais caro; financiamento imobiliário e automotivo, mais caros; crediário para móveis e eletrodomésticos, mais caros… Então como consumir ficou mais caro, as pessoas vão comprando menos, pensando três, quatro vezes antes de entrar num financiamento de longo prazo. Isso freia o consumo e faz a economia desacelerar, percebeu?

Em consequência o mercado percebe que o faturamento e o lucro está cada vez menor e ficam cada vez mais receosos em aumentar os preços das mercadorias e desta forma o apetite inflacionário vai sendo saciado.

Por outro lado se a inflação está caindo ou sob controle é hora de estimular a economia, pois se a inflação seguir caindo poderemos entrar num estágio de deflação que é o pesadelo de qualquer governante, pois num momento de deflação o custo para produzir um bem pode superar seu valor de venda o que torna o propósito de qualquer empreendedor, empresário ou comerciante sem sentido. É como se um sapateiro comprasse o couro para produzir um par de sapatos por R$10,00 e tivesse que vender estes sapatos por R$8,00. Neste caso ele estaria pagando para trabalhar!!
Isso seria a morte certa para centena de milhares de empresas por todo o país, podendo levar nossa economia ao colapso. Já vimos isso acontecer algumas vezes na história como por exemplo: na década de 30 isso uma economia deflacionária levou a Alemanha para guerra e um grande depressão se iniciou nos Estados Unidos.

Por isso temos que balancear o sistema como numa gangorra:

- Num cenário de inflação em alta, aumenta-se a taxa Selic para forçar a inflação descer;
- Num cenário de inflação em baixa, diminui-se a taxa Selic para forçar a inflação a subir.

Neste ponto certamente você já entendeu que com uma SELIC mais baixa, o crédito de modo geral se torna mais fácil, conseguir dinheiro para consumir fica mais barato e isso faz todos irem as compras mais facilmente. Os bancos emprestam mais, o varejo fica feliz, a industria produz como nunca e a economia reaquece novamente… E é justamente neste ponto que a economia brasileira está.

Tivemos um momento em que foi necessário uma taxa SELIC de 14% entre 2015 / 2016 e como o cenário veio mudando de lá ara cá e a medida que a inflação foi sendo controlada a SELIC também foi diminuindo pouco a pouco até este momento histórico de 4,5%.

Agora se você me perguntar: até onde isso vai?

Muito provável que pelo que o banco central sinalizou pode ser que ela caia mais um pouco até 4,25% ou que pare por aqui mesmo e fique neste platô de 4,5% pelos próximos 6 meses.

Depois que entendemos a relação entre taxa SELIC e inflação é bom entendermos também qual é a relação da SELIC com a renda variável, em especial com a bolsa de valores.

Para isso quero te mostrar o gráfico abaixo e nele você vai perceber que elas tem uma relação inversamente proporcional ou seja toda vez que uma sobe a outra desce e vice e versa.

Eu entendo perfeitamente o argumento de alguns colegas e alunos meus que estão querendo apostar tudo na renda variável agora para não perder esta oportunidade de alta histórica da Bovespa, mas eu não faria nada diferente do que já estávamos fazendo antes.

Em primeiro lugar você precisa construir seu colchão de segurança ou reserva de oportunidade que é possuir de três a seis vezes o que você gasta por mês em uma aplicação de baixo risco e alta liquidez para que você tenha este capital disponível sempre que precisar, como o Tesouro Direto Selic e só depois desta reserva construída começar a investir uma parte do seu capital em renda fixa de médio e longo prazo e não mais que de 10 a 15% em renda variável, como as ações.

E por quê?

Veja o gráfico novamente e responda…

O que aconteceu sempre depois de uma alta histórica da bolsa de valores brasileira nos últimos 60 anos?
Uma queda igualmente histórica!

Por isso eu não arriscaria mais do que 10 a 15% do meu patrimônio na bolsa.
Repetindo: não mudaria nada… A não ser que você queira apostar, mas aí o risco é seu!

Veja, eu não entro em nenhum cassino quando saio de férias, mas tenho alguns amigos que adoram ir e como é de se esperar algumas vezes ganham, mas quase sempre perdem tudo! Porém, de todo modo, era dinheiro de diversão que eles iriam gastar de qualquer forma mesmo. Não é nada que vá comprometer o futuro deles.

Se você quer colocar na bolsa o seu dinheiro que você gastaria com lazer vá em frente e divirta-se. Mas se for para comprometer parte do seu patrimônio, não é o caso.

A verdade é que a bolsa é muito sensível e qualquer acontecimento aleatório pode fazer muita água neste barco. Basta um Kim Jong-Un da vida acordar um dia de mal humor e apertar um botão daqueles mísseis que ele tem como brinquedo e já era! Mesmo que eles caiam bem longe daqui, tenha certeza que a bolsa vai lá embaixo e isso ninguém pode prever!

E o que vai acontecer se a bolsa começar a cair e a inflação começara a aumentar? Adivinha que investimento vai voltar a ficar super atrativo novamente? Exatamente, a renda fixa!

Inflação alta, COPOM aumenta a taxa SELIC, certo?
E com uma SELIC alta todos os investimentos atrelado a ela como o Tesouro Direto, Poupança, CDBs, LCI, LCA, todos eles vão subir também.

Então neste caso, a renda fixa sempre vai proteger você, principalmente se este dinheiro for parte do seu colchão de segurança.

Agora vamos entender o que esta queda da SELIC representa para economia.

Para as empresas, com uma SELIC baixa não existe nenhuma vantagem em guardar dinheiro. Neste cenário, elas preferem pegar este dinheiro e investir na própria empresa. Comprar novas maquinas, melhorar a infraestrutura, aumentar o orçamento do marketing, contratar mais trabalhadores, etc...

Se a empresa tem dividas, estas estavam atreladas a juros maiores e agora é muito provável que ela vai conseguir negociar a um juros muito menor e isso vai dar um fôlego para a empresa.

Em terceiro lugar o valuetion da empresa vai aumentar, ou seja elas passam a ter um valor de mercado maior, consequentemente o valor de suas ações na bolsa vão aumentar também e isso é um dos motivos que fica muito atrativo agora investir na renda variável. Investir na bolsa e investir em fundos imobiliários que também se tornaram muito atrativos, porquanto os fundos imobiliários teoricamente concorrem com a renda fixa.
E se a renda fixa está cada vez menos atrativa quem automaticamente fica mais interessante? O concorrente, os fundos imobiliários ( FII ).
Certamente haverá cada vez mais investidores colocando seu dinheiro em Fundos Imobiliários e por esta razão a tendencia deles e subir.

Então se vc pergunta o que representa essa nova taxa SELIC?

Ela representa muitas oportunidades para todos nós, isso quer dizer que a economia está melhorando, inflação controlada e juros mais baixos.

O que você achou desta informação?


0

 

Comentários

Faça parte da notícia, deixe seu comentário, expresse sua opinião.
E-mail protegido, também não gostamos de SPAM

Sua mensagem foi enviada com sucesso!